O juiz quando não tem como decidir por um litigio que envolve alto grau de provas periciais, ele para garantir a qualidade de seu convencimento na elaboração da sentença, nomeia um perito oficial. Nesse caso as partes litigantes, se não querem correr o risco de perder a ação, contratam um perito assistente, que tem por missão emitir o seu parecer técnico se contrapondo ao laudo pericial que será apresentado pelo perito oficial, caso este seja desfavorável ao seu cliente. Os peritos assistentes na sua atuação fazem quesitos ao perito oficial, cujas respostas esperadas, corroboram em direção ao favorecimento do seu parecer técnico a favor do seu cliente. Tanto o perito oficial como os assistentes jamais podem emitir laudo ou parecer que não sejam provas verídicas de sua tese, em benefício de qualquer uma das partes, pois uma vez comprovado a falsidade do laudo, estes incorrem a sanções criminais prevista nos Art. 342 e 343 do Código Penal – Decreto Lei nº 2.848 de 07 de Dezembro de 1940.